Eu sou como o velho barco que guarda no seu bojo,
O eterno ruído do mar batendo…
No entanto, como está longe o mar e como é dura a terra sob mim.
Felizes são os pássaros que chegam mais cedo que eu à suprema fraqueza
E voando caem, felizes e abençoados, nos parques onde a primavera é eterna.

(Trecho do poema ‘O Incriado’, de Vinicius de Moraes)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s